Senado dos EUA aprova indicação da conservadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte | Mundo

Senado dos EUA aprova indicação da conservadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte | Mundo

A aprovação era esperada porque o Partido Republicano, o mesmo do presidente Trump, detém a maioria do Senado. Foram 52 votos a favor e 48 contra. O resultado espelha bem a divisão entre os senadores: todos os democratas votaram para barrar Barrett, enquanto do lado republicano apenas uma senadora se opôs à juíza.

Os democratas preferiam que a escolha do novo juiz ocorresse depois das eleições de novembro, quando os americanos também elegerão novos senadores em alguns dos estados. A oposição argumentou, sem sucesso, que a nomeação de Barrett era uma manobra para que os juízes conservadores ampliassem a maioria na Suprema Corte antes das eleições — os democratas temem que uma votação apertada judicialize o resultado eleitoral.

Amy Coney Barrett, juíza nomeada por Donald Trump à Suprema Corte dos EUA, assiste nesta segunda (12) a pronunciamento remoto da senadora Kamala Harris, candidata a vice-presidente — Foto: Leah Millis/Pool/Reuters

Barrett passou nas últimas semanas por uma série de sabatinas entre senadores. Ela evitou se antecipar sobre casos judiciais polêmicos nos Estados Unidos, como a decisão da década de 1970 que permitiu o aborto em todo o país — setores políticos mais conservadores esperam que a nova maioria ampliada na Suprema Corte reverta a decisão.


A recente discussão sobre nomear um juiz às vésperas das eleições presidenciais fez algumas alas do Partido Democrata a cogitar apoiar o aumento no número de cadeiras na Suprema Corte, caso Joe Biden se eleja. O candidato da oposição se esquivou de dizer que pretende fazer isso, mas disse que pode criar uma comissão bipartidária para avaliar o assunto.

Com a nova juíza, serão seis conservadores contra três progressistas. Veja como fica a Suprema Corte.

Juízes de perfil mais conservador

  • Clarence Thomas — nomeado em 1991 por George H. W. Bush
  • John G. Roberts, Jr. — nomeado em 2005 por George W. Bush
  • Samuel A. Alito — nomeado em 2006 por George W. Bush
  • Neil M. Gorsuch — nomeado em 2017 por Donald Trump
  • Brett M. Kavanaugh — nomeado em 2018 por Donald Trump
  • Amy Coney Barrett — nomeada em 2020 por Donald Trump

Juízes de perfil mais progressista

  • Stephen G. Breyer — nomeado em 1994 por Bill Clinton
  • Sonia Sotomayor — nomeada em 2009 por Barack Obama
  • Elena Kagan — nomeada em 2010 por Barack Obama

Veja abaixo um PERFIL da juíza Amy Coney Barrett, aprovada para a Suprema Corte dos EUA

Quem é Amy Coney Barrett

Amy Coney Barrett, indicada à Suprema Corte dos Estados Unidos — Foto: Olivier Douliery/AFP

Mãe de 7 filhos, Barrett é católica e tende a ter visão conservadora em temas como a legalização do aborto — prática permitida nos EUA por uma decisão da Suprema Corte de 1973 que é legalmente questionada com frequência no país. Em 2013, a jurista disse que a vida “começa com a concepção”.

Barrett trabalhou para Antonin Scalia, juiz da Suprema Corte morto em 2016 e a quem a juíza considera um mentor. Ele também era católico e considerado uma das vozes mais proeminentes do conservadorismo americano na Suprema Corte.

A juíza ocupou Tribunal de Apelações do 7º Circuito de Chicago, cargo para o qual a magistrada também recebeu indicação de Trump. Ela ganhou projeção nacional ao dar aulas na Universidade de Notre Dame, em Indiana, mesma instituição onde ela obteve o título de doutora.

Entenda a escolha de Amy Coney Barrett e a questão do aborto nos EUA

Entenda a escolha de Amy Coney Barrett e a questão do aborto nos EUA

A possível nova juíza da Suprema Corte também está alinhada com posições de Trump em relação ao uso de armas e imigração, segundo a rede britânica BBC. Não está claro, porém, se ela e outros juízes mais conservadores tentarão reverter a decisão de 2015 favorável ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma vez que o próprio presidente disse “estar bem” com a decisão favorável a casais gays.

Religiosa, Barrett integra com o marido, Jesse, a comunidade católica People of Praise, movimento de renovação carismática baseado em South Bend, Indiana.

A participação dela nesse grupo levantou questionamentos de parlamentares democratas na nomeação ao Tribunal de Apelações de Chicago em 2017 sobre uma possível interferência da religião nos julgamentos. A jurista confirmou que segue o catolicismo, mas negou que deixe de seguir a lei por isso.

VÍDEOS: Eleições nos EUA em 2020


Compartilhe
Comente

Dum Leão

dumleao

Acesse e confira produtos incríveis…
Participe desse experiência.
3Cs – Confira! Compre! Compartilhe!