ONGs denunciam torturas contra opositores de Lukashenko em Belarus | Mundo

ONGs denunciam torturas contra opositores de Lukashenko em Belarus | Mundo

Uma ONG bielorrussa recolheu testemunhos de vítimas da repressão em Belarus que mencionam prisões arbitrárias, humilhações e espancamentos durante a detenção. A Human Right Watch (HRW) também denuncia casos de violência e a Organização mundial contra a tortura (OMCT) fala de crimes contra a humanidade.

A ONG bielorrussa de defesa dos direitos humanos Viasna, uma das raras a trabalhar em Belarus, recolheu os testemunhos das vítimas. Suas histórias são parecidas: uma prisão arbitrária pela polícia, seguida de apreensão de documentos pessoais e transferência em centros de detenção. Depois disso, as primeiras humilhações, como ficar nu de joelhos no chão, e os primeiros golpes, algumas vezes até a perda da consciência.

Líder opositora em Belarus denuncia que foi ameaçada

Líder opositora em Belarus denuncia que foi ameaçada

“A tortura está em todos os lugares, não somente em Minsk. Recebemos testemunhos vindos de diferentes cidades. É um tipo de punição. Uma punição coletiva e politicamente motivada após as manifestações contra o poder”, diz Valentin Stefanovich, da Viasna. “Por exemplo, se a polícia encontra em seu telefone fotos das manifestações, ela te marca com uma tinta de uma cor específica e você é espancado de maneira mais severa que os outros”, explica.

A Viasna fala de centenas de casos de torturas desde o começo das manifestações em agosto. Nenhum resultou em investigações, enquanto ao menos 27 processos criminais foram abertos pela Justiça bielorrussa contra os opositores, segundo a ONG.

A OMCT pediu ao Conselho de direitos humanos da ONU na terça-feira (15) que realize uma investigação independente. O Conselho decidiu debater em urgência a situação no Belarus, na sexta-feira (18) em Genebra.

A Human Right Watch também documentou diversos casos de tortura de manifestantes anti-Loukashenko nos dias seguintes à eleição presidencial de 9 de agosto: espancamentos, eletrochoques, prisões em lugares lotados, insalubres e sem comunicação.

“Não é normal estarmos na Europa, em 2020, com uma repressão brutal como essa. Ver um estado usar estas táticas contra uma população pacífica é extremamente preocupante”, disse em entrevista à RFI Jonathan Pedneault, da HRW. “É uma coisa que deve ser denunciada e punida”, completa.

Nos últimos dias, as forças de segurança fizeram novamente prisões massivas de manifestantes, acompanhadas de violência.


Compartilhe
Comente

Dum Leão

dumleao

Acesse e confira produtos incríveis…
Participe desse experiência.
3Cs – Confira! Compre! Compartilhe!