Policiais filmados botando capuz em homem negro que morreu asfixiado são suspensos | Mundo

Policiais filmados botando capuz em homem negro que morreu asfixiado são suspensos | Mundo

A prefeita de Rochester, no estado de Nova York, anunciou nesta quinta-feira (3) a suspensão dos policiais envolvidos no sufocamento de Daniel Prude, um homem negro, em março. Ele morreu dias depois da ação policial por asfixia e outras complicações.

Em entrevista coletiva, a prefeita Lovely Warren, que é negra, criticou a ação policial. “Você não pode deixar esse tipo de coisa acontecer. Você tem um dever”, disse.

“Quando eu vi esse vídeo, fiquei furiosa”, afirmou Warren.

Cidadão negro morre de asfixia após operação da polícia nos EUA

Cidadão negro morre de asfixia após operação da polícia nos EUA

O caso veio à tona depois que a família liberou as imagens gravadas pelas câmeras dos próprios policiais quase seis meses depois. Com o vídeo liberado, novos protestos tomaram as ruas de Rochester, em mais um dos vários atos pelos Estados Unidos contra o racismo e a violência policial.

As imagens mostram que Prude estava nu e desorientado quando os agentes de segurança colocaram sobre a cabeça dele uma espécie de capuz usada para evitar que a saliva do detido se espalhe para as pessoas ao redor — medida controversa nos Estados Unidos.

Em seguida, os policiais pressionam a cabeça de Prude contra o chão. Aos poucos, ele perde os sentidos. No fim do vídeo, é possível ver médicos tentando reanimar o homem.

Problemas de saúde mental

Daniel Prude, homem morto após ação policial em Rochester, nos EUA — Foto: Courtesy Roth and Roth LLP via AP

A família de Prude relatou na quarta-feira que Daniel sofria de problemas de saúde mental causado pelas mortes de sua mãe e de dois irmãos. Ele vivia em Chicago, mas visitava os parentes em Rochester com frequência para ficar mais próximo dos familiares.

No dia da ação policial, Daniel Prude foi levado a um hospital para exames. Ao voltar para a casa da família, ele subitamente saiu correndo pela rua e tirou as roupas. Um irmão, então, ligou para o 911 — telefone dos serviços de emergência dos EUA.

“Eu telefonei para pedir ajuda para o meu irmão. Não para ele ser linchado”, disse Joe Prude em entrevista na quarta-feira.

Memorial montado para Daniel Prude, em Rochester, Nova York — Foto: Adrian Kraus/AP Photo

Na mesma noite em que o caso veio à tona, manifestantes montaram um pequeno memorial perto do local onde os policiais foram gravados colocando o capuz sobre a cabeça do homem. Um grupo acendeu velas e colocou uma placa com o nome de Daniel Prude.

Diversos grupos de ativistas vêm pedindo que os policiais envolvidos no caso sejam processados por assassinato. A procuradora-geral de Nova York, Letitia James, afirmou que a investigação foi aberta ainda em abril e continua.

PLAYLIST: Veja mais vídeos de protestos contra o racismo nos EUA


Compartilhe
Comente

Dum Leão

dumleao

Acesse e confira produtos incríveis…
Participe desse experiência.
3Cs – Confira! Compre! Compartilhe!