Neonazista alemão confessa assassinato de político pró-migrantes do partido de Merkel | Mundo

Neonazista alemão confessa assassinato de político pró-migrantes do partido de Merkel | Mundo

Um neonazista alemão confessou durante seu julgamento nesta quarta-feira (5) ter matado o político regional pró-migrantes, Walter Lübcke, em um assassinato que chocou o país e alertou para a crescente ameaça da extrema direita alemã.

“Eu atirei” em Walter Lübcke, reconheceu Stephan Ernst, 46, de acordo com um comunicado lido pela defesa. Ernst é acusado de ter matado o político com uma bala na cabeça em 1° de junho de 2019.

A princípio, Stephan Ernst confessou o assassinato, mas depois se retirou e acusou seu suposto cúmplice, Markus Hartmann. A promotoria também o acusa de “assassinato agravado” e “tentativa de assassinato agravado” contra um refugiado iraquiano em 2016, que ele negou na quarta-feira.

Ele pode pegar prisão perpétua pelo crime. É a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que um caso como esse é julgado na Alemanha.


Em seu pronunciamento na quarta-feira, o assassino neonazista pediu desculpas à família Lübcke. “Eu sei, o que Hartmann e eu fizemos sempre será imperdoável.” “Foi cruel e covarde”, reconheceu. “Mas não posso mudar nada”, acrescentou. “Ninguém deve morrer por ter outra opinião”, disse ele.

Seu suposto cúmplice é acusado de ter treinado Ernst para atirar na floresta “com a mesma arma” usada para o crime, embora ele “não estivesse ciente dos planos reais”.

Segundo os investigadores, os dois suspeitos também participaram de uma reunião em que Walter Lübcke deu seu apoio à política de imigração da chanceler Angela Merkel.

A recepção de mais de um milhão de refugiados na Alemanha entre 2015 e 2016 alimentou a ascensão do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), que entrou no parlamento com força nas eleições legislativas de 2017.

“Simpatizante neonazista potencialmente violento”

Stephan Ernst era conhecido desde o final dos anos 80 como um simpatizante neonazista potencialmente violento. Desde 1993, ele era suspeito de ter planejado um ataque a bomba em uma residência para requerentes de asilo politico. Em 2009, ele participou de distúrbios racistas em Dortmund.

Apesar desse passado, os serviços de inteligência pararam de monitorá-lo nos últimos anos. A investigação revelou outro erro da polícia, acusado de complacência com os neonazistas, por não ter apontado para a autoridade quem concedia as armas que permitia que o suposto cúmplice fosse um membro ativo da extrema direita.

Isso lhe permitiu comprar pistolas e espingardas. O assassinato de Walter Lübcke, membro do partido conservador de Angela Merkel, levantou o espectro do terrorismo de extrema direita na Alemanha, um fantasma que aterroriza o mundo e, especialmente, o continente europeu.

O perigo da extrema direita

A ameaça de extrema direita foi subestimada nos anos 2000, embora o grupo neonazista da NSU tenha matado oito imigrantes turcos, um grego e uma policial alemã. Mas agora isso é visto como uma ameaça e um desafio crucial para a segurança interna da Alemanha.

Em outubro de 2019, um simpatizante de extrema direita alemã estava prestes a cometer um massacre de Yom Kipur em uma sinagoga em Halle, no leste do país. Ele matou uma mulher que passava e matou um homem em um restaurante onde os imigrantes costumavam ir.

Em fevereiro, um homem matou nove pessoas de origem estrangeira em dois bares em Hanau, perto de Frankfurt, e depois cometeu suicídio.

Grupos suspeitos de preparar ataques xenofóbicos ou antissemitas são frequentemente desmontados na Alemanha.


Compartilhe
Comente

Dum Leão

dumleao

Acesse e confira produtos incríveis…
Participe desse experiência.
3Cs – Confira! Compre! Compartilhe!