Ministério de Relações Exteriores da China diz que país se vê forçado a retaliar os EUA | Mundo

Ministério de Relações Exteriores da China diz que país se vê forçado a retaliar os EUA | Mundo

A China avisou, nesta quinta-feira (23) que se vê forçada a responder aos Estados Unidos, que ordenaram que um consulado chinês na cidade de Houston fosse fechado.

A ordem dos EUA causou um prejuízo severo às relações dos dois países, disse o Ministério das Relações Exteriores da China.

Tensões entre Estados Unidos e China têm se tornado mais frequentes: entenda as disputas

Tensões entre Estados Unidos e China têm se tornado mais frequentes: entenda as disputas

Washington deu à China 72 horas para fechar o consulado “para proteger a propriedade intelectual americana e as informações privadas dos americanos”, marcando uma dramática escalada de tensão entre as duas maiores economias do mundo.

O senador republicano Marco Rubio, presidente em exercício do Comitê de Inteligência do Senado, descreveu o consulado de Houston em uma rede social como o “nó central da vasta rede de operações de espiões e influências do Partido Comunista nos Estados Unidos”.

Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, classificou as alegações dos EUA de calúnia maliciosa.

“Em resposta às ações irracionais dos EUA, a China deve dar a resposta necessária e garantir seus direitos legítimos”, disse ele, recusando-se a especificar quais medidas devem tomar.

“Isso está derrubando a ponte da amizade entre o povo da China e os EUA”, acrescentou.

O jornal “South China Morning Post” informou que a China pode fechar o consulado dos EUA na cidade de Chengdu, no sudoeste do país, enquanto uma fonte disse à Reuters na quarta-feira que a China pensa em fechar o consulado dos EUA em Wuhan, de onde os EUA já retiraram funcionários no início do surto de coronavírus.

Hu Xijin, editor do “Global Times”, um tablóide publicado pelo Diário do Povo, oficial do Partido Comunista, escreveu que fechar o consulado de Wuhan seria uma resposta insuficiente.

Hu afirmou que os EUA têm um grande consulado em Hong Kong e “é óbvio demais que o consulado seja um centro de inteligência”.

“Mesmo que a China não o feche, poderia reduzir sua equipe para cem ou duzentos. Isso fará com que Washington sofra bastante dor”, escreveu ele.

Os outros consulados dos EUA na China estão em Guangzhou, Xangai e Shenyang.

A relação entre os americanos e os chineses a se deteriorou neste ano devido a várias questões, como o coronavírus, a empresa de equipamentos de telecomunicações Huawei as reivindicações territoriais da China no Mar do Sul da China e a política em Hong Kong.

FBI diz que cientista que falsificou visto se esconde em outro consulado

O FBI alega, em processos judiciais dos EUA, que um pesquisador chinês acusado de fraude de visto e ocultação de laços com os militares estava escondido no consulado da China em São Francisco.

O cientista Tang Juan, que pesquisa biologia, é acusado de fraudar o visto militar para ficar nos EUA. Ele conseguiu escapar da prisão ao se refugiar no consulado em São Francisco, dizem os americanos.

Outros pesquisadores chineses já foram presos por fraude de visto, de acordo com os arquivos dos tribunais dos EUA.

Wang disse que a China vai garantir a segurança seus cidadãos.

“Por algum tempo, os EUA mantêm um viés ideológico para vigiar, assediar e até deter arbitrariamente estudantes e acadêmicos chineses nos EUA. Pedimos que os americanos parem de usar qualquer desculpa para restringir, assediar ou oprimir os estudantes e pesquisadores chineses nos EUA”, disse ele.

Repercussão na mídia chinesa

Os editoriais da mídia estatal chinesa criticaram a ordem dos EUA de fechar o consulado de Houston. Para eles, trata-se de uma tentativa de culpar Pequim por uma eventual derrota de Donald Trump nas eleições em novembro.

Pesquisas mostram que Trump está atrás de seu concorrente, ex-vice-presidente Joe Biden, e a piora da crise de coronavírus pode causar um impacto na economia dos EUA.

O “China Daily”, um jornal oficial, descreveu o fechamento do consulado como “uma nova aposta na tentativa do governo dos EUA de pintar a China como um ator malévolo no cenário mundial, tornando-a uma fora da lei para a comunidade internacional”.

“A medida mostra que está atrasado em relação ao seu oponente nas eleições presidenciais. O líder dos EUA está se esforçando ao máximo para retratar a China como um agente do mal”, afirmou.


Compartilhe
Comente

Dum Leão

dumleao

Acesse e confira produtos incríveis…
Participe desse experiência.
3Cs – Confira! Compre! Compartilhe!