Morre aos 94 anos o historiador baiano Luis Henrique Dias Tavares

Morre aos 94 anos o historiador baiano Luis Henrique Dias Tavares

A história da Bahia perdeu nesta segunda-feira, 22, um dos seus mais proeminentes estudiosos com a morte do professor Luis Henrique Dias Tavares, aos 94 anos. Integrante da Academia de Letras da Bahia (ALB), o historiador tem diversos livros publicados, entre eles o clássico da historiografia “A Independência do Brasil na Bahia”. A notícia foi confirmada pelo seu filho, o jornalista Luís Guilherme Pontes Tavares, diretor da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).

O sepultamento do corpo do historiador está marcado para a tarde desta segunda no Cemitério Jardim da Saudade, em Brotas. O velório não será realizado por causa da pandemia do novo coronavírus.

Luís Henrique Dias Tavares nasceu a 25 de janeiro de 1926, na cidade de Nazaré, no Recôncavo baiano. Cursou Geografia e História , na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Federal da Bahia (1948 – 1951). Era doutor em História e foi diretor do Arquivo Público do Estado da Bahia no período de 1959 a 1969.

Entre abril de 1967 e janeiro de 1969, ele respondeu também pela Diretoria do Departamento da Educação Superior e da Cultura da Secretaria da Educação do Estado da Bahia, cuja atuação foi utilizada como justificativa para sua prisão e sucessivos depoimentos prestados à VI Região Militar, no período de vigência do AI-5.

Na Universidade Federal da Bahia, o professor Luis Henrique Dias Tavares ocupou diversos cargos. Presidiu  a Câmara de Ensino de Pós-Graduação e Pesquisa da universidade  entre 1984/85, além de ter assumido em inúmeras oportunidades o cargo de diretor da Faculdade e de coordenador do Colegiado de História, no impedimento de seus titulares

Tem pós-doutorado na Universidade de Londres (1977 – 1978, 1982, 1984, 1986), com pesquisas em Arquivos (Foreign Office Record’s), e Bibliotecas (British Library), ocasião em que escreveu o Livro Comércio Proibido de Escravos.

Além da Academia de Letras da Bahia, integrou também Conselho Estadual de Cultura, dos Institutos Históricos do Brasil e da Bahia e da Universidade Federal da Bahia, da qual foi também professor emérito.

Entre os livros publicados por ele, além da “A independência do Brasil na Bahia”, estão a “Sedição intentada na Bahia em 1798”, “A Conjuração Baiana”, “O fracasso do imperador: a abdicação de D. Pedro I”, “História da Sedição Intentada na Bahia em 1798”, “História da Bahia”, entre dezenas de outros.

Tavares mostrou também seu talento como escritor e cronista com os livros A Noite dos Homens, Moça Sozinha na Sala e Não Foi o Vento Que Levou, entre outros. Da Academia Brasileira de Letras recebeu prêmios literários por sua ficção quanto por sua produção acadêmica no campo da História.

 




Compartilhe
Comente

Dum Leão

dumleao

Acesse e confira produtos incríveis…
Participe desse experiência.
3Cs – Confira! Compre! Compartilhe!